105 O enjoo das conas mansas

Chegamos a casinha, já não era sem tempo. Foi um dia do caralho e então esta ultima etapa, foi muito dura. Até parecia fácil, bastava ter apanhado a carreira ali à porta do cemitério, e algumas centenas de buracos depois estávamos em casa, mas as putas ainda não estavam em condições. A mocada durava e durava, elas diziam que estavam com calor na rata, levantavam as saias, abanavam-se todas, coçavam a pintelheira, uma dizia que tinha chatos a outra dizia que eram piolhos. Para maior das ajudas estavam sem cuecas e no meio da confusão já só lhes restava saia e blusa, aliás mesmo de cuecas naqueles andamentos não as podia pôr na camioneta.
A solução traze-las pelo meio do mato, sempre a cortar caminho nem é longe, já fiz aquilo muitas vezes, mas aquelas cabritas queriam era roçar no mato. A traidora da Pita embaraçou-se numas silvas, prendeu lá a saia, e à falta de melhor solução deixou lá ficar a saia rasgada e continuou só de saiote. Quando íamos a passar perto dos lameiros andava por lá alguém à erva, e elas fizeram uma festa desgraçada, a sorte é que quem por lá andava estava longe e não se deve ter apercebido do estado delas. Mais à frente a passar o ribeiro, a Aleivosa escorregou nas pedras a minha mãe foi atrás, e ficaram todas molhadas. A Putita estava num estado jeitoso, o saiote colado às pernas a acentuar-lhe as curvas das pernas e a revelar no cavado vale da tentação o volume e a textura da mata grossa. A minha mãe não estava melhor, e se nas coxas a saia molhada era um embaraço que não revelava muito, no peito a blusa branca molhada revelava todas os detalhes de um peito sem soutien. O volume das mamas, o diâmetro das aureolas a encolher, e aqueles bicos tesos a crescer, espetados no tecido.
Eu quase ficava tolo de tesão com o andamento das duas vadias, mas não me podia perder em devaneios sexuais, tinha de as fazer chegar a casa sem dar nas vistas. Foi difícil, mas consegui, enfiei as duas cá em casa.
Para as éguas, chichi, banho, sopas de cavalo cansado e cama. Ainda agora anoiteceu, estão as duas a dormir, de vez roncam que nem vacas, antes de adormecer a nossa querida vizinha, ainda me recomendou que não me esquece de lhe dar de beber à rata o leitinho para dormir melhor. Acho que estou enjoado daquelas duas conas mansas, vou acabar o meu caldo, e dormir sobre o assunto.

5 comentários:

  1. pelos vistos ficaram bem enjoadas, e o garanhão invernou até hoje...ou para sempre?!

    ResponderEliminar
  2. pelos vistos o autor deste conto continua enjoado e ficou em 2015!

    ResponderEliminar
  3. e os 2 membros destas histórinhas foram dormir juntos sobre o assunto hahahah

    ResponderEliminar
  4. "Prazer 100% Tuga Tesão à moda Portuguesa"

    esta dupla deste Blog ficou sem tesão hehehe

    ResponderEliminar