088 As ranhetas de uma vagina constipada

A prof de português deu gazeta, dizem que está doente, deve ter-se constipado, não admira, andar ali sempre com o pito a arejar com aquelas cuecas abertas deve dar para apanhar uma boa constipação por baixo, se bem que as velhas também andam sempre sem cuecas com a pita a ventilar e não se consta que constipem. O pior mesmo é no fim da foda, as que usam cuecas, ou que não usam das rachadas para facilitar o acto sexual, no fim do dito podem sempre puxa-las para cima e conterem ali os fluidos que lhe escorrem da vagina. As outras ficam todas ranhosas com a esporra e das duas uma ou usam um lenço para assoar a boceta, ou ficam a escorrer ranheta pelas pernas abaixo. De resto nem é mau que deixem escorrer a langonha toda, aquele creme deve ser bem bom para hidratar a pele, algumas cotas até o usam para passar no calcanhar rachado, outras há que preferem como o leitinho sempre e só pela garganta abaixo.
Mas, o que conta é que a professora se baldou e o resto é conversa. Que se foda a setora, que se fodam os sonetos e as quadras (mas só por hoje...), vou mas é aproveitar este bocadinho sossegado na biblioteca da escola para pôr em dia a minha antologia de anedotas picantes: 

   - Qual é a primeira coisa que um marinheiro faz quando chega a casa?
   - Vai ao pito à mulher.
   - … e a segunda? 
   - Pousa as malas.
   Há Homem do Caralho!

    Já que estamos a falar de marinheiros deixem contar esta:


    O marinheiro chegou a casa depois de ter estado três meses no mar, vem com os colhões cheios e com vontade de os despejar o mais depressa possível, entra no quarto atira-se para a cama, dá uma, aquela cona estava uma delicia, dá duas, nem se lembrava daquela rata ser tão boa, dá três, aquela racha estava ainda melhor do que se recordava, foi até não poder mais. No fim da terceira foda foi à cosinha, quando lá chegou deu de caras com a mulher, agarra nela, senta-a na esquina da mesa, arregaça-lhe as pernas, espeta-lhe a piça na greta, e tirou as duvidas, no fim da foda pergunta à esposa
   - Quem é que está no nosso quarto?
   - Ò seu caralho, é a minha mãe....?! Ela veio para cá fazer-me companhia enquanto tu andavas fora a navegar pelo mar… e a comer putas de bordel em bordel..., uma mulher sente-se sozinha, era bem pior se fosse um homem, já me basta tu chegares a casa com o cu todo roto de tanto seres enrabado e cheio de vícios de tantas pilas mamares.
    Nisto, ele espeta um xoxo na mulher, ficam os dois a rir alto e bom som, põe-na ao ombro, e vai-lhe dando uns acoites no rabo enquanto a carrega para o quarto, deita-a na cama. E volta a montar a sogra.

    Entre os casais abundam histórias de enganos, como estas:

    O marido chega ao hospital para fazer a primeira visita à esposa e ao seu filho recém nascido, quando chega à beira do berço fica admirado,... ele branco, caucasiano, e ela, uma albina quase ariana, e o bébé nasceu… negro, pretinho da silva. Admirado pergunta à mulher, como é possivel?
   - Ora, queridinho tu não queres fazer sempre sexo com a luz apagada, ele assim nasceu escurinho…

    Estavam marido e mulher no truca truca, como sempre de luz apagada, no escurinho, quando a mulher se lembra de acender a luz e levantar a roupa da cama, e se depara com o marido de pilita murcha, a enfirar-lhe um cabo pela racha acima. Muito exaltada a esposa pede explicações ao companheiro, ao que ele responde. 
   - Eu explico-te o pau pela cona acima, quando tu me explicares dos nossos dois filhos.

1 comentário: