062 Levanta a saia e ri-se, ai a puta!

Entrei em casa, vindo diretamente dos currais, como se não houvesse nada melhor na vida do que acomodar o gado de manhã cedo. A mãezinha já estava a tapar o forno de lenha com barro, bem hoje vamos ter rancho melhorado, um assadinho…
Tomei banho e até fui com ela à missa, o que um gajo num faz quando quer saber das novidades, e começou logo pela homilia, o Senhor Abade disse que fazer sem-vergonhisses é pecado, e fazer filhos à criada também… Senhor Padre. Nos avisos finais o Padreco disse que esta semana ia excecionalmente estar na igreja uma hora antes da missa da tarde para todos aqueles que quisessem irem “vestir a alma” na confissão, que bonito.
No adro era o falatório total, ninguém sabia bem o que aconteceu, a minha mãe chegou-se à beira da Ti Coisinha que ali estava fresca que nem uma alface, mas vermelha que nem um tomate, a desenvergonhada, mas por ali só se falava do estendal no cruzeiro, mas havia muitos cochichos aqui e ali.
Enquanto regressamos a casa a mãezinha muito curiosa, aquela rata não lhe escapava nada, e sabia, porque sabia, aquele sétimo sentido feminino, o dedo mindinho que adivinhava que havia mais alguma coisa, mas eu continuei ali firme e hirto, sem me descoser.
Quando chegamos a casa, eu tinha uma surpresa, a vaca da cunhada da prima estava lá em casa, e já se comia, cheirava bem, a perfume francês, bendito o cornudo que a encheu de mimos, e eu já estava a ficar com fome, não admira, com aquela carne ali toda à mostra, aquelas têtas soltas quase saltavam pela camisola fora, e ela senta-se à minha frente levanta a saia e ri-se, ai a puta!
Que boa que estava a vitela assada, e regada com americano tinto de Paiva, daquele que pinta a caneca as beiças e a toalha, de estalo, e a companhia do melhor, estavam ambas as duas mais que quentes, não pararam o tempo todo de divagar sobre, o estendal de cuecas esporradas, o que elas já sabiam…
O que elas não sabiam, mandaram-me ao café central saber, deram-me dinheiro para o café e umas borradas de aguardente, e lá fui eu saber das novidades.
Ao certo ninguém sabia o que se tinha passado, mas até nem andavam longe, afinal era só pensar um bocadinho, e as conversas andavam aí à volta: Passeio à Quinta do Arraial Minhoto, Bebedeiras até mais não, dar umas Quecas… “Estão com um pifo tão grande que agora que deram por ela vão-se fechar em casa durante uma semana.” dizia um, “e para a próxima vamos todos, isso sim!”, dizia outro depois de despejar para aí a quarta cerveja.
Regressei a casa a pensar naquele bacanal, fizesse aquela gente ideia da chafordisse que foi, a mulher de um a comer a piroca do outro, a apanhar no bujão, a fazer broxes, será que aqueles ditos machos estão prontos para isso, aposto que metade daquela gente não vai ao pito sequer uma vez por semana.
Cheguei a casa, neste dia cheio de surpresas, e as meninas estavam a acabar de tirar do forno um bolo, ena!, hoje foi mesmo dia de festa, e para melhorar o ambiente não estavam sozinhas. A puta da prima da minha mãe, a cunhada da vaca, tinha-se vindo juntar ao grupo.
NOTA: E aqui está algo que ainda não me entrou na mona, porque é que aquela puta defende a cunhada, sim, essa infiel que traiu o irmão dela, e que meteu na cama outro homem que pôs prenha, e agora são as três melhores amigas a encobrirem-se umas às outras, sorte a minha, que já as cobri a todas.
Continuando, a prima tinha vindo com o marido que tinha ido para o café, bem me parecia que tinha visto o boi do marido dela a jugar malhas no adro da igreja, coisas de macho!
São opções, passar a tarde de domingo a chupar um maço de tabaco, deitar conversa fora, atirar umas malhas, emborcar umas quantas bujecas, uns copos de vinho e umas aguardentes. Chegar à noite a casa e não dar outro uso à piça que não seja despejar o que bebeu durante a tarde, deitar-se na cama tão fodido que nem dá pela fome de piça da mulher, que enfia os dedos pela cona acima para aquecer a noite. É assim que um homem mostra que tem os colhões no sitio, solta a lingua em frente aos amigos, e diz que a piça dele come as gajas todas da terra, mas nem sequer passa a pano o corredor da puta que lhe bota o comer na mesa.
Ou a minha opção, ir para casinha e dar de caras com três toiras, um bolo cheiroso, meia bola de queijo e uma garrafa de Porto, fiquei logo cheio de fome, e com a piça tesa dar sinais de vida.

1 comentário: