001 Palheiro da Vizinha... o inicio


Foi lá que tudo começou, estou agora longe da fogosidade dos meus tempos de mocidade, e como já não vou lá tantas vezes, como era de esperar, decidi passar a contar-vos algumas das passagens mais (e menos) quentes da minha vida sexual.
Tudo começou um belo dia em que um dos meus coleguitas levou para a escola uma, já muito surrada revista da Gina, e logo a primeira coisa que eu vi… aquela vagina, ui, ui, os meus colegas começavam a falar em esgalhar, bater uma, e coisas que tais, para mim era tudo uma grande novidade, eu bem que já tinha pensado em algumas daquelas coisas… mas faltava algo: o estimulo da Gina, neste caso, mamas e rata, foram termos que saíram logo dali, e para quem ainda não tinha visto nada, aquela rata bem abertinha, aquelas mamas bem cheiinhas, isso só nas primeiras páginas, porque assim que convenci o meu colega a deixar-me ver a revista melhor, foi o bom e o bonito, ai então é assim que ela cresce?, e enfia-se assim? Hem! Tesão era para mim ainda e apenas uma palavra, se o tinha sentido até então, desconhecia. Ainda com as ideias um bocado turvas, refugiei-me junto com os outros na casa de banho (cada um na sua, claro), do outro lado da parede, comecei a ouvir gritos de gozo, que imitei claro, não ia eu ficar para traz… a campainha devolveu-nos ao mundo real, e voltamos para a sala de aula. À noite em casa e já na cama, aquilo não me saia da cabeça… a rata já era uma cona e as mamas eram tetas, foi então que senti a excitação pela primeira vez, meio a medo esfreguei um pouco, a minha pilinha passou a prirlau, a minha mão que até então estava por cima do pijama, passou para dentro, e esfreguei mais um pouco, a sensação era boa, e passei a mão para dentro das cuecas, senti então a pele pela primeira vez, e foi com muita emoção que esfreguei o pirilau como ouvia dizer que se fazia, ao fim de alguns minutos senti-me húmido pela primeira vez, e quando recuperei a consciência… a primeira coisa que pensei foi, ai! que sujei as cuecas, a minha mãe… que desculpa é que vou arranjar se ela vê? A noite foi boa conselheira, e foi meio ensonado que me levantei na manhã seguinte assim que o relógio despertou, depois de ter passado boa parte da noite a experimentar essa nova coisa que era esgalhar (devagarinho).

Sem comentários:

Enviar um comentário