006 colega e vizinha, primeira mamada

O tesão andava no ar, desde a visita à casa da minha avó, eu andava sempre com as cabeças no ar, e agora que já sabia esgalhar (melhor) era sempre a abrir, até andar dormente.
Um dia vinha da escolha com uma colega e embalado pela excitação dos meus pensamentos comecei a falar com ela de sexo, nas minhas palavras eu era um verdadeiro garanhão, e já sabia fazer de tudo. Risinho acima risinho abaixo acabamos por ir tirar o sarro para o palheiro, apalpar e esfregar eu (mais ou menos) sabia, mas ela queria era mimos e beijos na boca, para mim beijos como os da novela eram nojentos, mas teve de ser, e primeiro que eu encaixa-se que também tinha de por a língua na boca dela foi um dia de juízo. Quando acabaram os beijos já eu tinha o pirilau murcho, mas aos bocadinhos ela foi se deixando apalpar, primeiro as maminhas por dentro da camisola, depois o pitinho por cima das cuecas, rapidamente ficamos os dois excitados, e ela pediu-me para a deixar fazer igual ao que viu a mãe fazer ali no palheiro. Tirei o pirilau para fora, ela abaixou-se e muito tremula e sem jeito, começou a fazer algo que estava entre o beijar ao chupar-me o pirilau, e como era bom. O meu pirilau estava completamente teso, e a ideia de que a minha vizinha bêbeda podia vir de vez em quando para ali foder estava a deixar-me completamente eufórico. Ela continuava a chupar e eu sentia que me podia vir a qualquer momento, quando ela pediu para eu lhe ir ao pito, fiquei completamente tolo. Ela levantou a saia, baixou um pouquinho as cuecas, virou o cuzinho para mim e inclinou-se, a filha da puta era toda sabida, e eu não fazia ideia de como fazer, tentei espetar-lhe por trás o pirilau, e vinha mas não conseguia, ela agarrou-me no pirilau com a mão e levou-o ao sito, mas mesmo assim não entrava, ainda eramos os dois virgens, acabei por me vir de qualquer maneira e deixar a miúda desconsolada. Eu tinha rapidamente de aprender como se fazia para poder foder com ela... quando nos despedimos o beijo na boca já soube muito melhor.

Sem comentários:

Enviar um comentário