005 casa da avó, 3

Fui-me então deitar na pontinha da cama, a minha avó já lá estava e ria-se muito enquanto via na Televisão a Vaca da Cornélia, o programa acabou, ela foi apagar o aparelho e dar a sua mijinha, cumprindo o mesmo ritual da limpeza, o que me deixou novamente cheio de tesão. Quando ela voltou para a cama disse-me para ir para a beira dela, e eu estava todo acagaçado por estar cheio de tesão, mas não podia recusar, até porque ela era muito querida e eu gostava dela, e lá me cheguei a ela com mil cautelas, mas a velha raposa já sabia o que se passava e, despercebidamente passou a mão entre as minhas pernas, fiquei todo borradinho e não sabia onde me meter. Passado o susto ela mandou-me ter calma, disse que era natural que na minha idade eu ficasse assim, e aconselhou-me que para acabar com aquele embaraço e podermos ir dormir o melhor era eu esgalhar o pessegueiro, e ali, e já!, assim foi. Comecei a esfregar o pirilau teso aos bocadinhos, mas eu era (era!) muito desajeitado (inexperiente), ela notou logo, e ofereceu-se para me dar alguns conselhos, mas mesmo assim as coisas só pioravam, o meu pirilau estava todo teso e eu nem uma punheta conseguia bater em condições, estava desesperado e já não sabia o que fazer, valeu-me a velha que me deu uma mão. Foi directa ao asunto, com a mão dela na minha mão ensinou-me o geito para esgalhar o pessegueiro (era a expressão que ela usava) em condições, até que parou, esteve a examinar o pirilau, e constatou que eu ainda tinha os três, ainda não tinha rebentado com o pirilau, eu estava virgem, e avisou-me que ia doer, mas que eu ia gostar.
Não sei o que lhe passou pela cabeça,ela tirou a combinação que usava para dormir e mandou-me também tirar a roupa, a seguir ela mandava e eu fazia (aprendia), comecei pelas mamas apalpei e mamei, mas eu queria era sentir-lhe a racha, passei a mão, pedi para a ver melhor, ela ainda me pediu para eu lhe lamber a cona mas eu (ainda) não percebia, passei lá bem a mão abri e voltei a abrir, enfiei os dedos, e por fim montei-a, ou melhor tentei o melhor que sabia, o pirilau mal deve ter entrado na cona bem larga da minha avó, mas eu delirava e vim-me, o que parecia muito, para mim naquela altura era o fim do mundo. Finalmente o tesão passou, ela limpou-se bem, e dormimos, o meu sono era merecido.
Na manhã seguinte acordei coladinho à minha avó todo teso, aproveitei para apalpa-la e ela não tardou a acordar também, de ladinho mandou-me dar-lhe no pito por trás, para ela a cona era sampre o pito ou até o pitinho, para mim aquilo era uma puta de uma rata espectacular, uma racha do caralho, a minha primeira cona. Comecei a tentar meter-lhe por trás mas faltava-me o jeito, ela insistia muito e ficava muito tolinha e insistiu para eu dar com mais força e disse que eu estava a roçar-lhe o cu. Na altura achei aquilo nojento, mas eu morria de tesão tentei virá-la para a conseguir montar e quando o consegui era a mão dela que estava entre as pernas a acariciar o pito, montei-a e comi-lhe a cona, ou melhor tentei. No fim a milha avó tentou com cuidado rasgar-me mas não conseguiu, voltei para casa ainda virgem, e de papo cheio, já me pensava um homem, e só pensava no tempo que ainda faltava para voltar a vir passar o fim-de-semana a casa da minha avó.

Sem comentários:

Enviar um comentário